Fernanda Lazzari

FernandaLazzari

NOME: Fernanda N. Lazzari
IDADE: 34
CIDADE E ESTADO EM QUE VIVE: Curitiba (PR)
FORMAÇÃO: Eng. agrônoma, mestre em Entomologia e doutorado incompleto em Grain Science (ainda atuo na área).
ATUAÇÃO NA CERVEJA: Cervejeira caseira desde 2010, sommelier de Cervejas pela ABS desde 2011, BJCP Certified beer judge e Mead judge desde 2014 e oreia na Morada Cia. Etílica.
BLOG/SITE: http://www.moradaciaetilica.com.br
TWITTER: não informou
FACEBOOK:
 http://www.facebook.com/moradaciaetilica
INSTAGRAM: não informou

***

1) Melhor Ale produzida no Brasil
Revelação do ano: Malina da Wensky Beer.

1a) Melhor IPA produzida no Brasil
Tormenta Hoppy Day.

1b) Melhor Weissbier produzida no Brasil
Vou votar na Witbier Malina da Wensky Beer.

2) Melhor Lager produzida no Brasil
Way Amburana Lager.

3) Melhor Ale estrangeira à venda no Brasil
Este ano foram duas: Cellar Door da Stillwater Artisanal (OMG, o que aquela sálvia?) e Fantôme Pissenlit (OMG, o que é aquele tudo?).

4) Melhor Lager estrangeira à venda no Brasil
Brooklyn Lager.

5) Qual estilo de cerveja você mais bebeu no ano?
Bebi muitas podridões das mais diversas, Farmhouses, Saisons, Sours sem frutas, com frutas, Barrel Aged, Kettle Sours, Brett e muita Hop Arabica e sidras (vale sidras?).

6) Qual cerveja tem a melhor relação custo x qualidade no mercado brasileiro?
Brooklyn Lager.

7) Melhor chope (nacional ou estrangeiro) à venda no Brasil
DUM Jan Kubis.

8) Melhor bar/brewpub cervejeiro nacional
Temos muito que crescer em serviço, comida e chopes em bares aqui no Brasil, dito isso vou de Biermarkt Vom Fass.

8a) Em que local você tomou o chope mais bem tirado em 2014?
Cervejaria da Vila.

9) Melhor cerveja caseira
Tomei muito mais cervejas caseiras excelentes este ano do que nos últimos anos todos juntos, parabéns aos caseiros! A estrelinha vai para Strong Scotch Ale maturada com chips de amburana embebidos na cachaça do Everton Delfino, Best Of Show do III Concurso Paranaense de Cerveja Feita em Casa.

10) Melhor cerveja que ainda não chegou ao Brasil
Bourbon County da Goose Island.

11) Melhor blog ou site cervejeiro
O Viajante Cervejeiro me divertiu demais este ano!

12) Melhor design de rótulo de cerveja, nacional, importada ou caseira
Petroleum é nosso! edição especial para os contribuintes do catarse.

13) Qual sua combinação favorita de cerveja e comida?
Todo ano acho uma harmonização que eu piro. Esse ano tive duas: Jan Kubis com churrasco e Gasoline Soul com bruschettas de cogumelos (experimentem)!

14) Melhor evento cervejeiro nacional
Festival Brasileiro da Cerveja, em em Blumenau (SC).

15) Qual foi a maior novidade cervejeira de 2014 (receita, cervejaria ou técnica)?
Os kits de “fedores” nacionais que começaram a ser produzidos pela Dr. Flavour. Vamos estudar mais por menos em 2015!

16) Melhor fato cervejeiro
A aproximação com o Ministério da Agricultura (Mapa) através dos dois eventos com os fiscais de todo o País organizados pelo Elton Massarollo (Mapa) e pelo André Junqueira da Procerva.

17) Pior fato cervejeiro
A não inclusão das cervejarias artesanais no Simples.

18) Previsão cervejeira para 2015
Vai ser f… (pode esse tipo de palavreado?)! Tudo vai ser mais caro. O jeito é apertar o cinto e encarar a parada com dedicação, seriedade, criatividade e bom humor!

19) Para você, o que é cerveja artesanal?
Independente do tamanho da cervejaria, é a cerveja feita por arte! É quando quem escolhe o que vai sair da fábrica não é um engravatado com tabelas lá do 10º andar, é um sonhador que vai saborear a bebida com prazer, sabendo que não foram medidos esforços para fazer o melhor possível dentro das condições que ele tem.

20) Quem foi a pessoa que mais trabalhou pela cerveja brasileira em 2014?
Como diz o ditado: uma andorinha só não faz verão! Eu vi tanta gente dar tanto de si este ano para que a coisa fosse para frente, e foi muito bacana ver cada um, dentro da suas possibilidades, fazendo um pouco do que sabe, doando seu tempo, dinheiro e energia  para fazer nosso movimento crescer. Vou pontuar alguns grupos de pessoas que eu achei que brilharam este ano:

– Vendedores, representantes e distribuidores que trabalham o ano todo, todos os dias, para que a cerveja artesanal chegue a mais lugares.

– Os organizadores do I Congresso Técnico para Cervejeiros Caseiros promovido pela ACervA Catarinense  em maio.

– Os malucos que resolveram fazer um curso sobre cerveja artesanal com os fiscais do Ministério da Agricultura (Mapa) de todo país e os fiscais que adoraram a ideia e compareceram em massa e, como retribuição, fizeram um curso para os cervejeiros – 2015 promete!

– O Marcos Odebrecht, que peitou as provas do BJCP de cerveja e de hidromel (a primeira fora dos Estados Unidos) em março deste ano e que estreitou imensamente os laços com o BJCP e plantou frutos que vamos colher por muitos anos ainda.

– Bons cursos técnicos, de especialização e profissionalizantes nascendo e melhorando. Educação é tudo!

21) Que experiência própria, profissional ou pessoal, você acha que poderia ser aplicada à cerveja artesanal?
Essa vai ser longa, sorry!

Bom, um pouquinho do meu background: sou entomologista (insetóloga) e fiz muitos experimentos e trabalhos científicos em diversos laboratórios com muitas espécies de insetos vivos (inclusive pragas quarentenárias). A dificuldade do tal do bicho vivo é que todo dia ele respira, caga, come, dorme morre, etc. Então por muitos anos trabalhei completamente sozinha aos sábados, domingos, feriados e até noites em algum laboratório cheio de insetos. Normalmente meu trabalho consistia em ficar contando os lazarentos (sem causar dano aos mesmos) que insistiam em correr e tentar voar por tudo quanto é lado na bancada. Tive alguns momentos de desespero quando havia mais insetos voando e fugindo do que eu dava conta de contar, e não foi bonito! Nesses momentos precisei de algumas características que servem para qualquer trabalho (não só aplicado a cerveja artesanal ou a contagem de baratas voadoras carnívoras mutantes gigantes).

Honestidade: o certo é certo, independente do que os outros estão fazendo. Como dizem as  mães: você não é os outros.

Dedicação: tem que ralar quando não tem ninguém olhando, não adianta fingir.

Muito trabalho duro: essa eu dedico aos que pensam que cervejeiro vive de glamour, festas e chope de graça todos os dias ou que os insetos fazem uma fila tipo Lemmings e se contam sozinhos.

Compreensão: Trabalhei com cientistas das mais diversas nacionalidades (brasileiros, indianos, americanos, coreanos, chineses, paquistaneses, australianos etc) e não é porque você não entendeu direito o que ele falou que ele está errado. Tem que se esforçar para entender e compreender o outro, mesmo que você não concorde, faz parte da beleza da diversidade!

Muito bom humor: Apesar de em muitas situações a gente ficar com muita raiva, não adianta trabalhar com amargura e raiva. Quem já levou uma cagada de levedura gelada na cara de manhã cedo ou já perdeu um experimento porque esqueceu aberta a porta da BOD sabe: tem que rir, se limpar e recomeçar!

22) É possível se sustentar trabalhando apenas com cerveja no Brasil?
No caso da Morada Cia. Etílica, ainda não conseguimos. Falta muito de tudo ainda para esse sonho se realizar, mas estamos em pé lutando, pois acreditamos que sim!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s